10 games da franquia Alien para jogar

Compartilhe esse conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Alien

Marcelo Jabulas | @mjabulas – Em agosto a Cold Iron Studios lançará “Aliens: Fireteam Elite”, game de tiro cooperativo para PC, PS4, PS4, Xbox One e Xbox Series X/S. Mas antes disso, vamos voltar quase 40 anos no tempo e contar a trajetória dos xenomorfos gosmentos nos games. São 10 games que iremos listar em ordem cronológica, para não imprimir juízo de valor. Mas você e eu sabemos que a cereja do bolo está no final.

Alien (Atari) – 1982

Desenvolvido e publicado pela 20th Century Fox, “Alien” é uma espécie de Pac-Man alienígena misturado com “Frogger”. O design é rudimentar, mas os produtores tentaram criar criaturas que se parecessem com o monstro do longa-metragem de 1979. 

Com gameplay simples, jogador dever coletar os pontinhos espalhados pelo labirinto, com no game da Namco. O jogador também conta com poder temporário para desintegrar os xenomorfos. A cada estágio completado, o jogador precisa atravessar um campo com as criaturas.

Aliens (Arcade) – 1990

Alien

Quatro anos depois do lançamento de “Aliens: O Resgate” nos cinemas, a Konami publicou para fliperamas “Aliens”. Naquela época, a indústria de games andava de mãos dadas com os estúdios de Hollywood. Tudo que passava na telona tinha potencial para se tornar um videogame. 

“Aliens” permite dois jogadores simultâneos: Ellen Ripley e cabo Hicks. A história tem como pano de fundo o segundo longa, com direito aos corredores metálicos da estação construída no planeta LV-426, assim como os laboratórios e demais dependências. 

Com estilo Run and Gun, de deslocamento lateral, o jogador conta com arsenal do filme, como o pulse rifle M41-A1, o canhão Smartgun, lança-chamas e granadas. Como no filme, há inclusive uma fase em que o jogador usa o exoesqueleto robótico de carga. E há até sequências 3D, como em “Contra”. Um clássico.

Alien 3 (Mega Drive) – 1992

ALIEN 3

Publicado quase que simultaneamente com o terceiro filme da franquia, “Alien 3” coloca mais uma vez o jogador na pele de Ellen Ripley.  O game desenvolvido pela Probe e publicado pela Acclaim Entertainment segue o enredo do filme, em que a protagonista tem um embrião do alien incubado em seu corpo. 

Nesse game, o objetivo é abater os xenomorfos e libertar os prisioneiros da colônia penal Fiorina 161, que também tiveram o bicho implantado. O jogador deve resgatar todos eles antes que o cronômetro se esgote, e as criaturas estourem suas caixas torácicas.  O clássico sensor de movimento ajuda a encontrar os desaparecidos e alertar ameaças.

Com  estilo plataforma 2D, o visual de “Alien 3” é bem desenhado e cada fase retrata uma das dependências da prisão.  Encontrar o cartucho do jogo não é problema. No Mercado Livre há várias ofertas que vão de R$ 50 a R$ 500.

Alien 3 (SNES) – 1993

Se a edição do Mega Drive já é legal, a versão para Super Nintendo é impecável. O game amplia os objetivos de Ripley. Além de salvar prisioneiros incubados, o jogador também precisa destruir ninhos, bloquear setores, dentre outras tarefas.

As missões são acessadas em terminais. Por eles, o jogador recebe as instruções e também pode acessar as plantas da instalação. Tudo isso, torna a campanha mais extensa e desafiadora.

Graficamente, a versão do SNES dá um banho na edição para Mega Drive. A começar pela caracterização e movimentação de Ripley, assim como o detalhamento da metralhadora e dos cenários. A salas com ninhos contam com nevoa.  No varejo de usados um cartucho pode variar de R$ 70 a R$ 600. 

Alien vs Predator (SNES) – 1993

O filme que uniu predadores e xenomorfos só foi lançado em 2004, mas o primeiro game dessa sinergia de outro mundo surgiu em 1993. Produzido pelo estúdio japonês Jorudan e distribuído pela Activision, o jogador assume o papel do predador. 

A trama ocorre no planeta Vega 4, colonizado por humanos. No entanto, uma colônia subterrânea de xenomorfos é encontrada e eles devastam a cidades. O predador recebe o sinal e vai conferir o que se passa no local e a aí a treta começa. 

“AvP” é um Beat ’em up clássico. O jogador parte para cima das criaturas de peito aberto. Mas ao invés de dar apenas porradas e chutes, o jogador também contam com camuflagem, lâminas e lanças.  Uma cópia usada varia de R$ 80 a R$ 150. 

Aliens vs Predator (Arcade) – 1994

Um dos melhores games com a turma das duas bocas. Publicado pela Capcom em 1994, o game foi desenvolvido para até três jogadores simultâneos.  A trama envolve além de predadores e aliens, o major Dutch Schaefer.

Trata-se do protagonista interpretado por Arnold Schwarzenegger em “O Predador” (1987), mas com braço robótico. A o quarto personagem é a tenente Linn Kurosawa, que podemos considerar como uma releitura de Ripley. E completa o quarteto o predador guerreiro e o predador caçador.

Com ótimos gráficos, esse Beat ’em up insere uma grande variedade de elementos das duas franquias. Uma pena a Capcom não reeditar esse game para consoles.

Alien Resurrection (PS1) – 2000

O quarto filme da série literalmente ressuscitou Ripley na forma de um clone. Na trama, ela é um experimento utilizado com sangue séculos antes, em “Alien 3”, combinado com genes do xenomorfo. Com habilidades especiais, ela é mantida numa nave espacial. A coisa começa a feder quando uma nave de mercenários atraca com humanos sequestrados que serviriam de cobaias para gerar novos aliens.

O game é um FPS que explora o interior da nave. O jogador tem em suas mãos as mesmas armas que são exibidas no longa-metragem. Com corredores escuros, tal como no filme, o jogador deve eliminar as criaturas. Um detalhe é que os aliens mortos deixam poças de ácido, que consome pontos de vida do jogador.

O game está longe de ser uma obra-prima, mas tem seu valor por ser uma das poucas produções inspiradas no quarto filme, que também não se destacou como uma das melhores produções da franquia. 

Aliens vs Predator – 2010

Com produção assinada pela Rebellion e distribuição a cargo da Sega, o game chegou com versões para PC, PS3 e Xbox 360. O grande barato desse título é que ele oferece três campanhas distintas, uma para cada espécie: humano, predador e xenomorfo.

A trama se passa num planeta distante em que há estruturas antigas e um enxame de aliens. Cada campanha coloca o jogador com as habilidades e fraquezas de cada espécie. O fuzileiro tem as armas clássicas da série. Já o predador utiliza todas suas quinquilharias para detonar com todo mundo. Já o xenomorfo não precisa de arma nenhuma.

Graficamente o game surpreende pela qualidade, assim como pela fidelidade dos elementos retirados dos filmes. A trilha sonora também prima pela excelência. Para quem quiser garimpar no mercado de usados, a opção com maior variedade de cópias é para PS3, com preço na casa dos R$ 120. As poucas unidades anunciadas para Xbox 360 não saem por menos de R$ 200. 

Aliens: Colonial Marines – 2013

Criticado por todos, “Colonial Marines” é um game injustiçado. Lançado em 2013 pela Sega para PC, PS3 e Xbox 360, a trama acontece entre “Aliens: O Resgate” e “Alien 3”. E é aí que está boa parte do problema do jogo.

A história distorce os fatos do longa-metragem, que ignora a explosão dos reatores da colônia no LV-426 e ressuscita o cabo Hicks, que inexplicavelmente está no planeta, mesmo tendo sido socorrido com um buraco de ácido no peito. Os fãs caíram de porrada com os absurdos narrativos, mas outros pontos foram levantados. Um deles é o excesso de bugs e até mesmo a falta de desafios. A trama se passa basicamente em matar aliens.

Pessoalmente acho o game ótimo, pois é uma forma de experimentar toda ação do segundo filme. O jogador tem acesso às armas do filme, assim como cenários da colônia e até mesmo um doce plágio do final da película. Para quem se interessar, uma cópia para PS3 custa em média R$ 80. 

Alien Isolation – 2014

Alien

Se “Colonial Marines” foi uma grande decepção para grande maioria dos fãs da série, “Isolation” é uma obra de arte. O game produzido pela Creative Assembly chegou em 2014 para PC, PS3, PS4, Xbox 360 e Xbox One. 

No game, o jogador assume o papel de Amanda Ripley, fila de Ellen, que descobre pistas sobre o paradeiro da mãe. A história acontece cerca de 15 anos após o término de “Alien: O Oitavo Passageiro”. Amanda vai até a estação Sevastopol para recolher a caixa preta da nave Nostromo. Chegando lá, ela encontra a estação aparentemente abandonada. Mas há um tripulante a bordo.

Com  visão em primeira pessoa, o game combina RPG com Survival Horror. O jogador precisa encontrar a caixa preta e dar um jeito de sair da nave, antes que Amanda seja morta pelo bicho que massacrou a tripulação. Tem que jogar, ainda mais que custa uma ninharia no Steam, Xbox Live e PSN.


Compartilhe esse conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.