Diablo Immortal: Jogamos no A53, S20, S22 e Redmi

Compartilhe esse conteúdo

DIABLO IMMORTAL REDMI NOTE 11 PRO E GALAXY A53
Diablo Immortal chegou para dispositivos móveis e é tão bom de jogar como no PC

Marcelo Jabulas | @mjabulas – “Diablo Immortal” acabou de chegar ao mercado para dispositivos móveis. O game dá sequência à saga das criaturas do inferno que querem dominar o mundo.

O game é uma grata surpresa. Isso porque jogos de celular nem sempre funcionam tão bem quanto se promete. Mas “Diablo Immortal” consegue ser tão legal quanto no PC. E se dissermos que é mais prático, o fã da franquia pode ficar chateado, mas é fato. Jogar no celular é muito mais fácil.

LEIA TAMBEM:

O título oferece ótima jogabilidade. É rápido e tem comandos precisos. Para este teste, rodamos o game em quatro aparelhos modernos. Três da Samsung e um Xiaomi. Começamos pelos Samsung Galaxy S 20 Ultra e S 22 Ultra. A edição mais recente conta com hardware aprimorado, mas com os mesmos 12 GB de RAM que faz com que jogo rode liso.

Mas o que chamou a atenção foi o desempenho dos menos garbosos A53, da sul-coreana, e o  Redmi Note 11 Pro. Mesmo com a metade da RAM (6 GB) os aparelhos não refugaram nem um instante. E mais, ainda permitiram gravar parte da jogatina em tempo real, sem atrasos ou superaquecimento.

Ou seja, “Diablo Immortal” é um game que exige demais do hardware. Ele precisa de apenas 2 GB de armazenamento, o que é uma ninharia nos dias de hoje.

Jogabilidade de Diablo

Mas vamos ao jogo. O game tem a clássica visão isométrica, que vem desde o game original de 1996 e que foi copiada à exaustão pelo restante da indústria. Os comandos dispostos nas extremidades da tela seguem o padrão convencional dos jogos para celular.

Mas o que chama atenção é que os designers conseguiram embutir todos os comandos e elementos secundários desse Action RPG. O jogador conta com menus de inventário, missões, loja, mapa, dentre outros recursos que ficam bem dispostos e o melhor, com comandos precisos. Nada de ficar espremendo a tela e não obter resposta.

Tudo isso faz de “Diablo Immortal” um jogo fluido, gostoso de jogar. Com o ganho de experiência, o jogador adquire novos golpes, daqueles que exigem recarga, como na maioria dos jogos para telefones.

A condução do jogo também é mais simples. A cada missão, surge um caminho na tela. O jogador pode perambular pelo mapa para explorar e adquirir experiência, mas o game tem uma estrutura mais linear, em relação ao game para PC e as edições para consoles.

Enredo de Immortal

A história do game se passa poucos anos após os desfechos da trilogia para PC. No game, uma pedra mágica é destruída e forças infernais querem recuperar o artefato para dominar o mundo. Nessa confusão, sobra para o jogador resolver a parada e levar as criaturas de volta para às profundezas do inferno.

O game conta com legendas e menus em português, o que facilita para o jogador entender a trama. Mas não é necessário se ater às falas. Elas não trazem segredos, apenas floreiam a brincadeira.

O jogador deve ficar atento mesmo é com as conquistas durante as partidas. O game premia o jogador por sua performance. São quinquilharias que servem de chamariz para o “mercadinho” do game. Itens cosméticos, armas podem ser comprados com créditos, que são adquiridos com dinheiro real.

A todo instante o jogador é seduzido para cambiar reais por moedinhas de ouro, gemas e demais “ativos” do jogo.

Modo Online

Para jogar “Diablo Immortal” é preciso ter conexão permanente. A principal razão é garantir o acesso a lojas de itens. Mas também há a possibilidade de se unir a outros jogadores, assim como iniciar chats.

DIABLO IMMORTAL

Lutar em conjunto facilita nos combates aos chefes, mas na maioria das vezes é cada um na sua história. Vale a pena jogar.


Compartilhe esse conteúdo

One thought on “Diablo Immortal: Jogamos no A53, S20, S22 e Redmi

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.