Review – Jogamos a versão PS3 de Wolfenstein The New Order

GAMECOIN - WOLFENSTEIN

Marcelo Iglesias

O novo episódio da série Wolfenstein chegou há pouco mais de um mês e todo mundo já publicou suas análises. Bom, não quisemos correr para dar nossa opinião e decidimos jogar Wolfenstein: The New Order, bem devagarinho. O novo Wolf apresenta uma nova abordagem para a série, em que o capitão Willian B. J. Blazkowics novamente é o herói.

Se nos primeiros episódios foram narrados as agruras de Blasko para escapar do Castelo Wolfenstein, assim como aventuras para desmantelar o exército nazista, o novo game coloca o herói num mundo em que o Reich venceu a guerra. A trama acontece na década de 1960 e pode até parecer um plágio do longa-metragem Nação do Medo (1994) estrelado pelo holandês Rugter Hauer, que mostra como seria o mundo Hitler como herói. Cabe a B.J. reforçar a célula de resistência, que executa pequenas missões em diversos pontos da Europa, contra o regime totalitário do Füher.

GAMECOIN - WOLFENSTEIN 4

Narrativas à parte, o game é um tradicional shooter, que dá liberdade ao jogador em participar de combates sangrentos ou ter uma postura mais furtiva. No entanto, a Inteligência Artificial não colabora nesse ponto, uma vez que os nazis são demasiadamente estúpidos e totalmente míopes. Então para o game não ficar enfadonho, o negócio é empunhar duas metralhadoras e cuspir fogo no que aparecer pela frente. Quando esses tiroteios intensos acontecem a brincadeira fica muito melhor.

A jogabilidade é simples e mais do que manjada. Basta alguns minutos para se dominar todos os comandos. Apesar de linear, uma coisa que chama atenção é que cada missão exige uma coleta de armamentos, geralmente da-se início apenas com uma faca. E dá-lhe armas! O game conta com um belo arsenal, que vai desde tradicionais peças da Segunda Guerra Mundial como a pistola alemã Luger, assim como o rifle de assalto StG 44, que mais tarde daria origem ao russo AK-47. Já no período pós-guerra, a opções contam com versões modernas do Luger, escopetas automáticas, armas elétricas e claro, uma generosa e pesada metralhadora giratória.

GAMECOIN - WOLFENSTEIN 3

Graficamente, o game segue o mesmo padrão de qualidade de Rage, uma vez que foi desenvolvido sobre a plataforma id Tech 5. No entanto, chama atenção a limitação da versão para PlayStation 3. As texturas demoram para se formar na tela e muitos elementos que complementam o cenário, como fotos, quadros e placas, têm baixa definição, parecendo produções da década de 1990. Por outro lado é preciso reconhecer que o acabamento dos personagens é caprichado.

GAMECOIN - WOLFENSTEIN 2

O mesmo não se pode falar da versão para PC, rodando com todos os requisitos no máximo e também no PS4 e Xbox One. Se o leitor é daqueles que sofre com gráficos medianos é melhor nem pensar em comprar uma cópia do jogo para o veterano da Sony ou da Microsoft.

Campanha

Ao longo das 16 missões o jogador precisa ficar atento a itens coletáveis que irão habilitar conteúdos extras. Se o jogador for daqueles que gostam de vasculhar cada canto dos cenários, as missões duram em média 45 minutos, no máximo uma hora. Um bônus escondido no jogo é o acesso a Wolfenstein 3D. Para chegar ao título é preciso procurar um poster da tela de abertura do game de 1991, próximo a um colchão. Daí é só segurar o botão quadrado e se entregar ao pesadelo. Acredite, o velho Wolf é terrivelmente difícil.

GAMECOIN - WOLFENSTEIN 5

Bom, Wolfenstein: The New Order é um game legal, que resgata a franquia que popularizou o gênero de Tiro em Primeira Pessoa (FPS) e oferece uma boa dose de diversão. Apesar de ter sua exploração simplificada e ser linear, o game compensa pelos tiroteios brutais. Deixa a desejar no quesito gráfico, principalmente nas versões para PS3 e Xbox 360, e também na Inteligência Artificial. Por outro lado, a dose cavalar de brutalidade compensa as limitações. A dica é apostar nas versões para PS4, Xbox One e PC, caso este tenha um hardware permita extrair todo seu potencial.

4 Replies to “Review – Jogamos a versão PS3 de Wolfenstein The New Order”

  1. Pingback: Review – Metal Gear Solid V: The Phantom Pain - GAMECOIN

  2. Olá Sergio!

    Realmente, esse reposicionamento de comandos de mira e tiro para os gatilhos inferiores causa uma confusão, já que na maioria dos games esses comandos são colocados na parte superior.

  3. Bom dia. a única coisa que achei ruim no jogo é o comando. em todos os jogos que conheço a mira é L1 e o tiro R1. neste jogo é o L2 e R2 e não tem opção de mudar no ps3 ficando horrível a jogabilidade.

  4. Pingback: Antes de B.J. voltar: relembre a série “Wolfenstein” | Gamecoin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.