Review – LEGO Worlds segue receita de Minecraft

Marcelo “Jabulas” Iglesias | Redação GameCoin – Lembro que aos 11 anos ganhei um kit LEGO como presente de Natal. Era uma base dos bombeiros, com o prédio, carro, helicóptero e um caminhão. Montar o kit foi tarefa de uma manhã e rendeu semanas de brincadeiras, ainda mais que minha irmã tinha ganho um kit que formava uma casa familiar, com direito a jardim e tudo mais. Daí, era só salvar os moradores antes que a casa desabasse por completo.

Mas logo depois, o tema enjoou e demoli a unidade da corporação, que se transformou num caminhão com laboratório e até mesmo um imenso robô que tinha assento para um piloto. O grande barato de LEGO sempre foi poder inventar coisas. Nos videogames, a franquia da TT Games ganhou fama ao unir o estilo com séries de quadrinhos e do cinema, mas LEGO Worlds explora justamente a essência do brinquedo dinamarquês.

É bem verdade que a TT Games e Warner assistiram passivamente o fenômeno Minecraft e só iniciou o desenvolvimento de LEGO Worlds em 2015. O game traz muito do jogo da Mojang Specifications, como a necessidade de “farmar”, que no jargão dos gamers significa produzir insumos para fabricação de novos itens.

A história coloca o jogador na pele de um colonizador espacial, que precisa construir diversos mundos. Um de seus instrumentos é o “descobridor”, uma máquina capaz de copiar os objetos e seres do cenário e depois replicá-los. A medida em que o jogador coleta matéria prima para formar os blocos, assim como adquire novos objetos, a brincadeira vai ganhando corpo.

Também é necessário cumprir com pequenas tarefas para desbloquear os famosos tijolos amarelos. Há vários personagens que precisam de um ou outro item do cenário e cabe a jogador encontrar e depois replicá-lo.

A medida em que o jogador avança no game, ele aumenta seu acervo de elementos LEGO, como portas, janelas, tipos de tijolos, pisos, animais (tem até mesmo dinossauros e dragões) e uma infinidade de tranqueiras, que ajudam a completar as tarefas e também permitem um jogo livre e praticamente infinito. O jogador só deve ficar atento ao relógio, pois o tempo voa, e muito rápido.

LEGO Worlds faz uso de uma infinidade de elementos presentes na longa lista de jogos da TT Games. São itens como perucas, tipos de rostos, roupas, armas e pecinhas que estão espalhadas pelo jogo. Cabe ao jogador acumular toda essa tralha e usar a imaginação para construir o que bem lhe convir.

O grande barato de LEGO Worlds é a liberdade para fazer o que bem entender. Muito parecido com Minecraft, o jogador pode dar asas a imaginação e construir o que der na telha bloco por bloco, ou utilizar elementos ou estruturas disponíveis no game. Quem tiver paciência pode erguer monumentos como Torre Eiffel, Cristo Redentor, ou até mesmo locações e máquinas de filmes, como uma as naves Interprise ou Millenium Falcon.

Estímulo à criatividade

Para crianças, o game pode ser uma excelente ferramenta para estimular a criatividade e até mesmo um instrumento pedagógico. Isso porque é possível transportar para o jogo experiências vividas pelos pequenos, como por exemplo um lugar visitado. Desafiar os pimpolhos a construírem o parque que foi visitado no final de semana, ou algum cenário de um desenho animado ou filme e até o que foi aprendido na escola é uma tarefa lúdica e divertida.

Dessa forma, o game se mostra como uma forma eficiente e inteligente de utilizar videogames de maneira construtiva. Além disso é uma opção bem mais indicada do que títulos que exploram violência explícita e demais conteúdos que não são adequados para crianças. É um recurso a mais para estimular a garotada, que vai além do raciocínio lógico e coordenação motora.

LEGO Worlds foi lançado inicialmente para PC, PS4 e Xbox One. Este mês o game recebeu edição para Nintendo Switch. Os preços do game nas edições para PlayStation e Xbox giram em torno de R$ 90, e é uma boa sugestão para o Dia das Crianças.

Mini ficha GameCoin:
Lego Worlds

Estilo: Mundo Aberto
Estúdio: TT Games
Distribuidora: Warner Bros Interactive
Modo On-line: Sim
Idioma: Áudio, legendas e menus em português
Disponível: PS4, PC, XONE e Switch
Preço Médio: R$ 90

E quanto vale o show?
Enredo:
2
Gráficos: 3
Jogabilidade: 4
Desafio: 4
Custo/Benefício: 4
TOTAL: 3 moedinhas

Tabela GameCoin de classificação
5 moedinhas:
Excelente
4 moedinhas: Muito bom
3 moedinhas: Bom
2 moedinhas: Ruim
1 moedinha: Péssimo

[sbscrbr_form]

[bws_related_posts]

Os comentários estão fechados.