Review: Jogamos Resident Evil HD Remaster

GAMECOIN  RESIDENTE EVIL HD 0
Marcelo Iglesias(*)
Há mais de seis meses tem se falado exaustivamente sobre a reedição do título de estreia da série “Resident Evil”. Finalmente, o clássico da Capcom, que ajudou a consolidar os chamados Survival Horror, ou Terror de Sobrevivência, já pode ser baixado nas redes PlayStation Network e Xbox Live, ao custo de aproximadamente R$ 40.
A primeira impressão de quem joga a reedição é a melhoria na movimentação do personagem, mais intuitiva e natural, quando se compara ao título original de 1996, publicado para PC e PlayStation One. Só quem morreu dezenas de vezes sabe como os direcionais, que mudavam de acordo com o ângulo de câmera de cada cenário, dificultavam a esquiva e ataque aos inimigos.
GAMECOIN  RESIDENTE EVIL HD (2)
Falando em visualização, Resident Evil HD Remaster manteve a câmera fixa. A qualidade gráfica evoluiu significativamente. Mas não se trata de um game novo. O título foi elaborado com base na versão publicada para o Nintendo Gamecube, no início dos anos 2000. Mesmo assim, trata-se de um game bonito, muito mais simpático que os cenários quadriculados da produção original.
GAMECOIN  RESIDENTE EVIL HD
Quem jogou Resident no PSOne perceberá que algumas salas da mansão, onde se passa a trama, sofreram mudanças no projeto arquitetônico. Há portas, cômodos e corredores que não existiam no game de 1996. No entanto, os principais elementos do jogo foram preservados, assim como os personagens Chris e Jill. A narrativa também não sofreu mudanças e coloca o jogador na pele de policiais que precisam investigar alguns fenômenos nos arredores de Raccoon City.
GAMECOIN  RESIDENTE EVIL HD (3)
Apesar do tapinha visual e gráficos em alta definição, Resident Evil HD Remaster é um game inocente, se comparado com produções atuais como The Evil Within ou Dead Space 3. Há armadilhas previsíveis e peças de quebra-cabeças de fácil solução. Mas, mesmo assim, o título merece ser jogado novamente, afinal, se não fosse ele, os jogos de terror não teriam a mesma graça.
(*) Texto publicado na edição de 26 de janeiro de 2015, no jornal Hoje em Dia
[bws_related_posts]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.