Site icon GAMECOIN

Gamecoin – Novos consoles inauguram era dos negócios aos moldes F2P

Compartilhe esse conteúdo

Tekken Revolutions, para PS3, é um clássico F2P que fatura com venda de fichas

Quem joga videogame sabe que o grande objetivo de qualquer jogo é a vitória. E há algum tempo os desenvolvedores e distribuidores descobriram que é possível faturar alto com o comércio de privilégios. A prática de venda de créditos e vantagens, que já é rotineira nos jogos para dispositivos móveis como tablets e smartphones, começa a ganhar força na nova geração de consoles. Vários títulos para PlayStation 4 e Xbox One contarão com a venda facilidades.

Tudo bem que o leitor pode até questionar que desde o lançamento do PS3 e do X360 já era possível adquirir itens exclusivos por meio dos downloadable content (DLC), em forma de pacotes de mapas, armas, missões extras, dentre outros itens que elevam experiência de jogo. A versão para PS3 de “The Godfather” permitia que o jogador comprasse armas especiais, que antes só poderiam ser adquiridas após a conquista de inúmeras missões.

Novo formato de arrecadação

Mas o negócio tem mudado de formato, desde que os games para dispositivos móveis começaram a se popularizar. O modelo de arrecadação seguiu a tendência de desenvolvedores de aplicativos que oferecem o software gratuitamente e depois cobram por recursos extras. E se em um programinha para celular a receita deu certo, o que impediria de funcionar nos games? Foi com essa ideia que a nova galinha dos ovos de ouro foi fecundada.

GT6 permitirá a troca de dinheiro real pela moeda do jogo

Hoje, o negócio tem ganhado um formato diferente. Ao invés de adquirir um pacote de conteúdo, o jogador tem acesso a um sistema câmbio em que se pode comprar créditos do jogo com moeda real. É muito mais rentável, pois se pode vender para o mesmo jogador inúmeras vezes. Um exemplo é “Grand Theft Auto V”, que no modo on-line permite que o jogador faça transação cambial para poder expandir seus domínios no mundo do crime.

Visão Gamecoin do F2P

Quem também vai apostar nesse modelo de comércio é “Gran Turismo 6” que contará com “planos” de crédito para a compra de automóveis. O formato utilizado por “GT6” é muito parecido com o modelo aplicado em “Real Racing 3”, da Electronic Arts, para dispositivos móveis. Nele, toda vez que se inicia a sessão aparece um carrão com preço promocional só para instigar o jogador a torrar alguns trocados no “doleiro” virtual. No entanto, ao contrário do simulador para PS3, o joguinho da EA é distribuído gratuitamente, no formato “Free-to-Play” (F2P), como “Tekken Revolution”, também para o PS3, em que o jogador precisa comprar “fichas” para jogar nos modos off-line ou on-line.

Real Racing 3 oferece carros com desconto para cativar o jogador a comprar créditos

E não adianta espernear que além de gastar com o título o jogador terá que investir em aquisições para ter vantagem competitiva, pois os executivos de grandes selos e estúdios estão adorando esse recurso para gerar recitas. Um deles é o diretor Avalanche Studios, Christofer Sundberg, que considera o negócio saudável e vital para a indústria. Aliás, quem seria o insano de dizer o contrário?

Recentemente, o presidente SuperData Research (empresa especializada em solução Free-to-Play), Joost van Dreunen, apontou que a adesão em massa dos jogos gratuitos em rede alterou o formato de de se fazer dinheiro com games. “A monetização tornou-se um componente fundamental da nova paisagem. Hoje só os Estados Unidos contam com 46 milhões de jogadores. Não há como fechar os olhos para essa realidade, pois 70% da receita de jogos vêm dos modelo F2P”, analisa. Só que no caso dos novos consoles, poderemos contar nos dedos quais serão os games distribuídos gratuitamente!


Compartilhe esse conteúdo
Sair da versão mobile