2016 – O ano do porco-espinho azul

Marcelo Iglesias | Redação GameCoin

Não parece, mas o personagem mais emblemático da Sega se prepara para comemorar 25 anos. Sonic, o porco-espinho, protagonista da série Sonic: The Hedgehog se tornou o principal símbolo da empresa. Ele figurou não apenas em seus próprios games, mas ajudou a gigante dos jogos a se projetar mundialmente e até teve sua figura estampada na Willians de Alain Prost, na temporada de 1993. E ainda deu forma ao troféu do GP da Europa, vencido por Ayrton Senna. Agora, o ouriço azul acaba de ganhar um selo em comemoração de seus cinco lustros, na página oficial do personagem no Twitter.

Sonic: The Hedgehog chegou ao mercado em junho de 1991 para demonstrar todo poder de fogo do Mega Drive, que já estava no mercado há quase dois anos e teve seu brilho ofuscado pelo lançamento de Super Nintendo, no final de 1990. Rápido e dinâmico, o game comprovava que o hardware do Mega Drive podia competir com Super NES. Os efeitos de looping do título, assim como a quantidade de elementos móveis simultâneos era a prova de que o aparelho não era apenas uma evolução do Master System.

No game, o jogador assumia o papel de Sonic, um porco-espinho (ou ouriço, se preferir) azul com tênis vermelhos capaz de atingir velocidades altíssimas, como seu próprio nome já indicava. Sua missão era derrotar o Doutor Robotnik (também conhecido como Dr. Eggman), que utilizava os animais da floresta para construir robôs. A história inocente era o pano de fundo ideal para criar um universo em que a velocidade e as capacidades acrobáticas de Sonic pudessem ser exploradas.

No entanto, o personagem não era apenas o protagonista de uma franquia de impacto. Para a Sega, o ouriço também deveria ocupar o posto de mascote da empresa, que até então pertencia ao simpático, mas pouco expressivo, Alex Kidd. Mas a escolha de um porco-espinho para a função de garoto propaganda não foi aleatória. A ideia da Sega era provocar a Nintendo, que tinha como embaixador um baixinho gorducho, com um personagem atlético e veloz. Sonic era esguio, rápido, atrevido e invocado, enquanto Mario, era um bigodudo bonachão que tinha o hábito de usar roupa de castor ou rabo de guaxinim.

Depois de 25 anos, é possível assegurar que Sonic conseguiu cumprir duas de suas três missões. A primeira é que a franquia foi um sucesso. Sonic: The Hedgehog abriu o caminho para mais mais de 40 títulos para os mais diversos consoles, que incluíram, Master System, Game Gear, Sega Saturn, Dreamcast, assim como Game Boy Advance, da Nintendo, e consoles contemporâneos como Xbox 360, PlayStation 3 e Wii.

Atualmente, o título de estreia pode ser adquirido via download no Virtual Console para os consoles Wii e WiiU, assim como para PS3 na PlayStation Store, e X360 na Xbox Live Arcade, além de episódios modernos como Sonic: The Hedgehog 4, publicado também para PC. Sonic também conseguiu se firmar como mascote da empresa, tendo sua imagem eternizada em diversas campanhas de publicidade e se tornando um sinônimo para a Sega, assim como Mario para a Nintendo. Por outro lado, o ouriço voador não conseguiu abalar a reputação do bombeiro gordinho, a ponto de a Sega reconhecer que não daria para vencê-lo e se juntou com a Nintendo para produzir a série de esportes Mario & Sonic at the Olympic Games. Vida longa e próspera ao porco-espinho azul!