Review – Wolfenstein 2: The New Colossus expõe feridas de Blazkowics

Marcelo “Jabulas” Iglesias | Redação GameCoin – O capitão William Joseph Blazkowicz é o estereótipo do soldado norte-americano. Alto, forte e mesmo quando despedaçado não desiste do dever. A turma do Tio Sam curte isso, ainda mais quando é para mostrar ao resto da humanidade que é dá lá que sai os heróis contra a tirania. Aculturações à parte, B.J. Blazkowicz também é um dos personagens mais populares dos jogos para PC. O capitão é protagonista da série Wolfenstein. O brutamontes surgiu em 1992, com Wolfenstein 3D, título inspirado em Beyond Castle Wolfenstein, publicado para Apple II, em 1985.

Em Wolfenstein 2: The New Colossus, Blazko continua sua luta contra o Reich, que venceu a Segunda Guerra Mundial. A história se passa nos Estados Unidos, onde Nova York se tornou um emaranhado de aço retorcido e o restante do país uma grande colônia nazista.

O game tem início justamente na cena final de strong>The New Order, em que o herói é atingido por uma granada detonada pelo vilão Wilhelm “Deathshead” Strasse. Mas o contrário de um sacrifício, Blazko é resgatado e levado para o submarino Martelo de Eva, tomado dos nazistas. Daí a primeira missão do game é com o protagonista tocando o terror em uma cadeira de rodas.

Cascudo

Neste ponto me vem uma dúvida de que é mais durão. Blazkowics ou Big Boss. Para quem não se lembra, em Metal Gear Solid V: The Phantom of Pain, Snake acorda de um coma de 10 anos, cego amputado e com um estilhaço fincado na testa e precisa fugir do hospital usando apenas o avental de paciente. No entanto, também vale lembrar que B.J. também precisou sair na porrada depois de um longo coma, no ambulatório onde conheceu sua mulher Anya, em The New Order.

Voltando ao jogo, o protagonista continua sanguinário e impiedoso com seus inimigos, e o jogador tem um leque de “finalizações” tão sádicas quanto em The New Order e Old Blood. No entanto, o game busca ir além dos tiroteios frenéticos e enriquecer a história por trás do personagem e explicar seu comportamento.

Blazko é um texano filho de uma judia com um homem truculento, racista e antissemita, que batia nele, na mãe e estourou os miolos do cão da família. Numa introdução rápida, a game justifica a determinação do soldado contra Reich e, durante a campanha, revela o lado humano do triturador de nazistas, expondo seus dramas e medos.

Visual e jogabilidade

Wolfenstein 2 segue o padrão estético dos outros dois títulos da série atual, com soldados e anabolizados, armaduras grotescas que fogem do realismo dos demais games de tiro. No entanto, evoluiu graficamente, graças ao motor gráfico idTech 6, que permitiu texturas mais sofisticadas, melhores efeitos de luz e sombra e até mesmo de água para não fazer feio nos televisores 4K habilitados para rodar PS4 Pro e Xbox One X.

A jogabilidade mescla exploração com tiroteios, mas sem fugir do padrão linear da franquia. Os combates são mais táticos que no primo Doom (em que não há tempo de planejar nada, apenas trucidar demônios. Isso faz dele um game menos exaustivo, mas nem por isso menos viciante.

No entanto, o jogador tem a liberdade de se mover de forma furtiva, buscando eliminar primeiro os oficiais (que são habilitados a chamar reforços) ou partir para o estilo Chuck Norris e abrir fogo contra o que estiver se movendo.

Arsenal

Wolfenstein 2 tem uma grande variedade de armas tal como as utilizadas em The New Order, mas surgem novas opções. Mas são basicamente, pistola, submetralhadora, fuzil, fuzil elétrico, escopeta e por aí vai. No entanto, o que muda é que, assim como Doom, é possível fazer upgrade nas armas. Ou seja, é possível instalar silenciadores, carregadores entendidos, mira telescópica e demais recursos que tornam Blazkowics mais combativo.

Veredito

Wolfenstein 2: The New Colossus é uma mostra de que ainda há espaço para games de tiro em primeira pessoa que não sejam dedicados a partidas on-line ou e-Sports. Ao contrário de parentes próximos como Quake Champions e Doom, é um game que oferece uma narrativa, mesmo que estereotipada. É um game indicado para quem gosta de campanhas longas, não se importa em gerenciar recursos e gosta de resolver as broncas com uma metranca.

Mini ficha GameCoin:
Wolfenstein 2: The New Colossus

Estilo: Tiro em Primeira Pessoa
Estúdio: MachineGames
Distribuidora: Bethesda Softworks
Modo On-line: Não
Idioma: Áudio, legendas e menus em Português
Disponível: PC, PS4, XONE e SWITCH
Preço Médio: R$ 200

E quanto vale o show?
Enredo:
4
Gráficos: 4
Jogabilidade: 4
Desafio: 5
Custo/Benefício: 4
TOTAL: 4 moedinhas

Tabela GameCoin de classificação
5 moedinhas:
Excelente
4 moedinhas: Muito bom
3 moedinhas: Bom
2 moedinhas: Ruim
1 moedinha: Péssimo

 

Gran Turismo Sport não é mais como era antigamente

Marcelo "Jabulas" Iglesias | Redação GameCoin - Publicado em 1997, Gran Turismo foi o game ...

Learn more

Os comentários estão fechados.