Review – Reedição de Flashback é um brinde à velha guarda

FLASHBACK

Em uma época em que os games para consoles 8 e 16-bit eram dominados pelo títulos de ação 2D, com peronagens caricatos e movimentação rudimentar, a francesa Delphine Software quis dar sequência na vertente criada por “Prince of Persia”, em que os personagens reproduziam movimentos bastante realistas, “Flashback” foi um marco, tanto a Ubisoft publicou uma reedição tão boa quanto o título original.

FLASHBACK 2

O game, que se passa no futuro, conta a história de Conrad, um sujeito que teve a memória apagada e está sendo perseguido por autoridades em uma colônia, situada em uma lua de Saturno. O jogador inicia uma jornada em busca de respostas, assim como a resolução de um grande mistério. A narrativa vai sendo distribuída em fragmentos, contada por personagens que vão surgindo pelo caminho. Diferentemente da versão original, o jogador tem acesso a um ambiente virtual, em que ele precisa cumprir tarefas que irão liberar pacotes de memória, que o próprio protagonista escondeu no passado.

Como um flashback

Graficamente o game é muito fiel ao título original, respeitando a estrutura das fases. Na verdade, o nome “Flashback” ganha um segundo sentido literal. É impossível não se relembrar dos estágios da versão original, publicada para PC, Mega Drive e Super Nintendo. No entanto, há melhorias consideráveis e efeitos tridimensionais, apesar de a jogabilidade ser 2D. As animações também respeitaram o script original, mas ganharam mais riquesa de informações. É bonito, mas rouba um pouco do mistério dos “vídeos” originais, que obrigavam o jogador a fazer uma leitura da cena por conta própria.

Em termos de jogabilidade o game é muito simples, com tradicionais botões de disparo, pulo, soco, agachamento, além de comandos para equipamentos como óculos de visão especial, bombas e outras traquitanas que o Conrad moderno ganhou. Um ponto negativo é a mira imprecisa (no PlayStation 3 é feita com a alavanca direita), que abre brechas para os inimigos o atacarem. Outra novidade são os pontos de performance que podem melhorar atributos de combate, resistência e força.

Bom, “Flashback” é um game que divertido e que faz uma justa homenagem ao título de 1992. Quem jogou o original certamente vai curtir muito a reedição, assim que quem nunca ouviu falar do jogo vai se amarrar com a história. Baratinho, o título disponível apenas por download, pode ser adquirido por R$ 21 na  PSN, valor que também não difere na Xbox Live.

One Reply to “Review – Reedição de Flashback é um brinde à velha guarda”

  1. Sim, o jogo é mesmo muito bom. Todos os detalhes que marcaram o jogo clássico estão presentes no remake, que foi executado com maestria. Uma pena é o game estar atrelado ao sofrível Uplay, um dos piores DRMs da história da humanidade.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.