Review – Dishonored: Death of the Outsider é fascinante

Marcelo “Jabulas” Iglesias | Redação GameCoin – O universo perturbador de Dishonored ganhou novo episódio em Death of the Outsider. O game que chegou dia 15 de setembro para PC, PS4 e Xbox One, coloca o jogador no papel de Billie Lurk, uma fugitiva que precisa encontrar seu antigo mentor e liquidar o vilão Outsider.

A jogabilidade segue o mesmo padrão dos dois games anteriores. O jogador tem liberdade para se comportar da maneira que lhe convier. No entanto, suas atitudes têm consequências. Como Billie é uma criminosa procurada, a melhor forma de se sobreviver é sendo discreta e furtiva.

Mas nada impede o jogador de bancar o doidão e sair distribuindo porrada e chamando a atenção das autoridades. Fatalmente ele irá se dar mal, mas o game lhe permite essa liberdade, que pode comprometer ou dificultar o desenrolar da história.

A mecânica de jogo é muito parecida com Prey, game também produzido pela Arkane Studios, em que é possível coletar objetos, furtar pertences, mas inclui comandos de abate ou atordoamento. Tudo isso permite ao jogador traçar diferentes estratégias para chegar a um mesmo objetivo.

Como em qualquer RPG moderno, o jogador tem a liberdade de aceitar tarefas paralelas ao objetivo principal. São missões que ajudam a conquistar equipamentos, experiência e ampliam o tempo de jogo.

Magias

Dishonored: Death of the Outsider inclui na trama artefatos tecnológicos além de seu tempo, assim como poderes sobrenaturais. Billie desenvolve diversas habilidades durante a jornada. Entre elas a capacidade de ouvir os ratos, parafraseando O Flautista de Hamelin, dos Irmãos Grimm. Os roedores dão dicas num tom enigmático e misturados a baboseiras sem sentido. Daí cabe ao jogador identificar o que realmente é útil.

Já as habilidades de combate dão ao jogador a coragem de que Billie precisa para enfrentar os inimigos de peito aberto. A protagonista tem em mãos lâminas afiadas, armas de choque e demais quinquilharias mortais que fazem com que o jogador seja negligente em se manter silencioso.

Gráficos

Visualmente, o game da Arkane impressiona pela qualidade dos efeitos de iluminação. Dishonored: Death of the Outsider é um game em que impera a furtividade. Sendo assim, a trama se passa em ambientes pouco iluminados. Mesmo assim, as sombras e os fachos projetados pelos ps e paredes são trabalhados de forma muito refinada e realista.

A riqueza de detalhes também chama atenção. Os cenários, mesmo deteriorados, são carregados de detalhes e texturas que valorizam a produção. Trata-se de um game que incomoda pelo visual poluído e sombrio e criaturas grotescas. É uma construção estética que remete a artistas como Francisco Goya que encanta ao causar mal estar.

Dishonored®: Death of the Outsider™_20170920184015

Dishonored: Death of the Outsider é mais um título que aposta em protagonistas mulheres, com habilidades e determinação para derrubar e dilacerar marmanjos, desconstruindo de vez o estereótipo do sexo frágil. As habilidades de combate e o generoso acervo de armas dão ao jogador a coragem de que Billie precisa para enfrentar os inimigos de peito aberto, sem se importar com as consequências. O game está disponível para PC, PS4 e Xbox One, com preço sugerido de R$ 100.

Mini ficha GameCoin:
Dishonored: Death of the Outsider

Estilo: Stealth RPG
Estúdio: Arkane Studios
Distribuidora: Bethesda
Modo On-line: não
Idioma: Áudio, legendas e menus em português
Disponível: PC, PS4 e XONE
Preço Médio: R$ 100

E quanto vale o show?
Enredo:
4
Gráficos: 5
Jogabilidade: 4
Desafio: 4
Custo/Benefício: 4
TOTAL: 4 moedinhas

Tabela GameCoin de classificação
5 moedinhas:
Excelente
4 moedinhas: Muito bom
3 moedinhas: Bom
2 moedinhas: Ruim
1 moedinha: Péssimo

Leia Também

Os comentários estão fechados.